URSO OLHA MENINO ATRAVÉS DE RECINTO DE VIDRO EM ZOOLÓGICO. O QUE NÃO ENSINAR PARA AS CRIANÇAS SOBRE OS ANIMAIS

Muitas vezes os jardins zoológicos justificam animais em cativeiro argumentando de que isso ajuda a educar as crianças sobre o comportamento natural dos animais, além de inspirá-las a agir em prol da conservação do habitat deles. No entanto, muitas dúvidas têm sido lançadas sobre essas alegações nos últimos anos. Lori Marino, diretora executiva do Kimmela Center for Animal Advocacy (KCAA, Centro Kimmela para Defesa dos Animais), disse: “Não há nenhuma evidência atual, a partir de estudos bem controlados na literatura revisada por profissionais da área, apoiando o argumento de que expor animais em cativeiro seja educativo ou promova a conservação em qualquer sentido significativo”.

É difícil convencer as crianças de que os animais são dignos do respeito humano quando eles estão em um jardim zoológico ou parque marinho que os apresenta como objetos a serem exibidos para nossa diversão. Nesse tipo de ambiente, é fácil para uma criança (e até mesmo para um adulto) se sentir no direito de privar o animal do sono ou da privacidade para ser “entretido”. Um estudo recente sobre a atitude dos visitantes de quatro zoológicos dos Estados Unidos confirmou isso. Constatou-se que 86 por cento dos visitantes vão ao zoológico “para fins sociais ou de lazer”, enquanto apenas seis por cento vão lá a fim de aprender mais sobre os animais.

Além disso, o comportamento dos animais que as crianças costumam ver nos zoológicos está longe de ser “natural”. A eliminação forçada de instintos altamente desenvolvidos desses animais em cativeiro, como migrar, encontrar parceiros, buscar seu próprio alimento e experimentar laços familiares naturais muitas vezes os leva a ter comportamentos repetitivos ou autodestrutivos.

Elefantes cativos têm sido frequentemente vistos balançando a cabeça e oscilando de um lado a outro, enquanto outros animais têm sido observados limpando-se excessivamente, vomitando, automutilando-se ou se envolvendo em ataques súbitos de agressividade. Em momentos de estresse extremo, orcas cativas até mesmo matam umas às outras e seus tratadores humanos. Este fenômeno é conhecido como zoochosis. O uso de Valium, Prozac e outros medicamentos que alteram o humor como tentativa de reduzir esse comportamento é desenfreado em instalações de animais em cativeiro. Dito isso, o zoológico é mesmo o lugar ideal para uma criança a aprender sobre como devemos tratar os animais?

Esta foto postada no Imgur reflete a tristeza de toda a situação.

Zoologico bearandchild 2Foto: legc75 / Facebook.

É evidente que a criança vestida de urso idolatra esses animais e estava, sem dúvida, entusiasmada com a perspectiva de ver um urso de perto. Por outro lado, a visão deprimente do urso definhando em um recinto que nunca poderá replicar seu habitat (por mais que os funcionários digam que o zoológico é “imenso”) deixa bem claro para nós que não é assim que a criança deveria ter conhecido seu ídolo. Se realmente queremos ensinar nossos filhos a respeitarem o planeta e todos os seus habitantes, então temos que aceitar o fato de que outras espécies animais não existem para servir ou entreter os seres humanos.

Fonte: Olhar Animal

Deixe uma resposta