TV pra cachorro?

Certamente isso já passou pela cabeça de quem tem cão em casa. Será que eles são capazes de assistir televisão? Não se espante. A resposta é sim. Hoje eles podem. Na época das TVs de tubo, eles viam as imagens como fotos sequenciais. Hoje, com a tecnologia digital, eles podem assistir TV em movimento, assim como nós.

Levando em conta a correria dos donos de cães, as horas de ausência do lar por conta do trabalho e compromissos que não incluíam os pets, em 2012 foi lançado nos EUA um canal especifico para cães. Pesquisas que apoiaram o lançamento do canal demonstraram que eles conseguem prestar atenção em programações específicas. Entretanto, novos levantamentos queriam saber se os telespectadores de quatro patas realmente entendiam o conteúdo da programação.

Para atrair os cães, as imagens devem ser captadas sob o ponto de vista do bicho e é necessário um trabalho especial com cores, movimentos e músicas. Tudo isso para captar o máximo de atenção do telespectador animal. Sons de alta frequência podem ser irritantes para os cães, alterações nas cores buscam facilitar a diferenciação.

Hoje temos no mercado uma gama de produtos com a finalidade de entreter o cão e é possível adquirir também DVDs e CDs específicos para este público. Alguns produtores vão além e sugerem que os vídeos podem exercer um papel educativo, com a exibição de situações que são vivenciadas diariamente: trânsito de veículos, interação com bebês, outros animais de estimação e o toque de campainhas. Outros vídeos estimulam o relaxamento com paisagens da natureza sonorizadas com canções de ninar e outros estimulam as atividades cerebrais mais agitadas do cão, com a exibição de imagens de outros animais correndo e brincando.

Quem já experimentou, garante que esta distração reduz bastante as crises de ansiedade pela ausência do dono. Mas é importante lembrar que o animal precisa de companhia, exercícios físicos e muito carinho. É possível usar destes artifícios eventualmente para distraí-lo. Mas lembre-se: a TV não substitui a necessidade de uma rotina saudável e ativa.

Fonte: Revista Época

Deixe uma resposta