HOMEM ACOLHE MAIS DE 150 ANIMAIS NO RS

A necessidade de ajudar animais abandonados mudou a vida do ex-corretor de imóveis Luiz Ricardo Marcos, de 51 anos. Marcos cuida de mais de 150 animais, entre cães e gatos, na casa onde vive em Taquara, no Vale do Paranhana, Rio Grande do Sul. Trabalha 18 horas por dia, luta para sobreviver com parcos recursos que recebe por meio de doações e tenta viabilizar a construção de uma nova sede para a ONG que fundou. Tudo para não ver cães e gatos sofrerem.

“São muitos animais abandonados. É uma luta todo dia”, diz.

Marcos acredita gastar mais de R$ 4 mil por mês para cuidar dos animais. Compra dois sacos de ração por dia, além de outros alimentos como fígado de galinha e ovos e medicamentos. Usa o próprio carro para buscar cães e gatos abandonados em vários pontos da cidade.

“Se você parar o seu carro e vir o olhar de um animal te pedindo socorro, vai ver porque eu faço. Aí você vai ver entender, vai sentir. Se você ajudar o animal, não vai mais querer parar, e isso vai criar um problema para a tua vida. Tem que analisar as consequências, para mudar teu planejamento de vida. Eu não queria nada disso para mim”, afirma.

Além de apoio financeiro, ele conta com a ajuda de duas voluntárias, uma delas veterinária da prefeitura. “São pessoas muito idôneas”, elogia.

A saga do ex-corretor teve início há cerca de três anos e meio, quando ele se separou da mulher. Ele tinha apenas dois cães e duas gatas, mas outros animais começaram a aparecer. “Queria ir para a beira de uma praia e ficar tranquilo, mas tudo mudou. Começaram a aparecer animais e mais animais”, conta.

Havia 39 “hóspedes” vivendo com ele quando decidiu registrar a ONG “VidAnimal”, há pouco menos de um ano. Como as doações de 25% dos associados que pagavam R$ 10 por mês não cobria nem um quarto dos gastos, decidiu divulgar sua iniciativa para ver se recebia mais doações. O resultado não foi o esperado.

“Quando coloquei propagandas na rua, para me ajudarem, apareceram mais animais e menos pessoas para ajudar”, lastimou.

Recentemente, por meio de um site, o ex-corretor recebeu cerca de R$ 1,9 mil em doações. No início deste mês, ele e outros voluntários organizaram um brechó beneficente. Além de auxiliar na lida com os animais, o dinheiro será destinado à construção de uma nova sede, com mais espaço para abrigar a bicharada. Quem quiser apoiar a iniciativa pode entrar em contato com Marcos pelos telefones (51) 9696 9677 ou 8558 9444.

A ideia é que as pessoas interessadas em adotar animais se dirijam ao local para escolher um dos cães e gatos acolhidos por Marcos. Mas, para ficar com um deles, é preciso se comprometer em tomar conta. “Quero entregar animal para uma pessoa que o ame, que trate melhor do que eu trato aqui”, justifica.
Fonte: G1

 

 

Deixe uma resposta