Bichos de Estimação: Arara

As Araras vivem em pequenos grupos ou somente em casais, sendo aves monogâmicas e fiéis, que vivem na companhia do parceiro por toda a vida. São animais muito longevos: chegam a viver por mais de 70 anos, e, como animais de estimação, acabam passando de geração para geração.

Geralmente avistados em copas de árvores, Araras e Papagaios pertencem à mesma família, mas existem divergências bastante visíveis entre as duas espécies. A principal está nas penas da cauda, que, nas Araras, são compridas e terminam em formato de “V”, já as dos papagaios são curtas e terminam em linha.  Outra diferença está nos dedos: as araras têm dois dedos para a frente e dois para trás, o que é estranho, mas é muito útil para se agarrarem aos troncos das árvores e se pendurarem; os papagaios têm dois dedos para a frente e um para trás. Seus bicos também diferem no que diz respeito ao formato.  Veja como criar uma arara:

Escolher ter uma Arara é uma grande responsabilidade

Optar por ter um pet é uma decisão bastante séria, independente do animal escolhido, mas, se o animal em questão é silvestre e corre risco de extinção, a responsabilidade é ainda maior. Sempre investigue e tenha certeza da proveniência do animal. Ser conivente com o tráfico de animais é crime então tenha certeza de pedir toda a documentação necessária e registros do Ibama.

Principais características da Arara

  • Nome: Arara.
  • Família: Psittacedae.
  • Origem: Brasil.
  • Altura: até 1m de envergadura.
  • Peso: de 3 kg a 5 kg.
  • Maturidade sexual: a partir dos 3 anos.
  • Periodo de incubação: 35 dias.
  • Reprodução: entre novembro e janeiro,  nascem 2 filhotes por ninhada.
  • Expectativa de vida: pode passar dos 70 anos.
  • Ninhada: 1 por ano.

O que você deve saber antes de comprar uma Arara

1. Alimentação da Arara

Saber alimentar a Arara corretamente é essencial.

Os filhotes de Arara devem ser alimentados pelo dono da mesma forma que a mãe do bichinho, na natureza, o faria.Necessitam de amor, paciência e nutrição adequada.

Em pet shops, já há alimentação para esses animais filhotes, peça por “papa para Psitacídeos”. Não é em forma de ração, e sim uma papinha. É muito importante seguir essa dieta e respeitar a forma de alimentação pois qualquer mudança poderá alterar o desenvolvimento da ave. Essa papinha, depois de misturada, deve ser guardada em recipiente limpo, sempre mantido fechado.

Utilize uma seringa sem agulha, coloque aproximadamente 40 ml por refeição, três vezes ao dia, da papinha misturada com água previamente fervida, e ofereça ao filhote. Lembre-se de se certificar de que o papo da ave esteja vazio.

Após 60 dias de vida, já podem ser alimentados com sementes e frutas, e não esqueça de sempre deixar água limpa e fresca à disposição.

 

2. Comportamento e temperamento das Araras

Araras são muito inteligentes e barulhentas

É importante lembrar que, assim como cães e gatos, a Arara precisa de amor, atenção e disposição para brincadeiras.  Por isso, quando pensar em comprar uma Arara, convém pesar todas as circunstâncias, garantir que há espaço físico, tempo na agenda e um orçamento tranquilo para os cuidados necessários ao pet.

As Araras geralmente vivem em pares, um macho e uma fêmea, e são fiéis aos seus parceiros por toda vida. São aves muito comunicativas, o que fazem por meio de berros estridentes, então, se você é um fã do silêncio, a Arara não é para você.

Elas podem ser treinadas para imitar a voz humana, muitas vezes aprendem uma palavra após ouvi-la apenas uma vez, e podem ser manipuladas, desde que com gentileza e atenção.

Durante a procriação, podem se tornar extremamente agressivas, e seu bico poderoso pode infligir ferimentos sérios. Sob estresse, por estarem confinadas em gaiolas pequenas, com má alimentação, maus tratos ou recebendo pouca atenção, podem desenvolver doenças e comportamentos muito destrutivos, incluindo aumento da agressividade, podendo chegar até à automutilação, como o ato de arrancar as próprias penas.

Também é recomendável que elas sejam mantidas em companhia de outras Araras, pois, caso contrário, sentem-se sozinhas e tristes. Quanto a aves menores, é bom ter cuidado, elas podem não se dar muito bem. É importante que a família que tiver uma Arara seja, de preferência, numerosa, pois, dessa forma, ela terá mais atenção, ainda que se encontre em cativeiro.

Nunca é demais relembrar que essa ave pode ser mantida em cativeiro desde que haja uma licença especial do Ibama, caso contrário, pode haver sérios problemas com a justiça, que vão desde multas caríssimas até a prisão. Os órgãos competentes permitem a criação de Arara em cativeiro para comercialização, se dentro de normas especificas e somente com relação a duas espécies, que são a Arara Vermelha e a Ararauna. É possível encontrar a licença do Ibama para a comercialização da Grande Arara Azul, mas essas são mais raras e têm, ainda, uma série de especificidades para sua criação.

3. Alojamento das Araras

O viveiro deve ser bem espaçoso.

  • aproximadamente 2 m² por ave, com piso de terra ou cimento liso;
  • vegetação arbustiva ou arbórea é desejável;
  • sombra parcial;
  • água renovável, inclusive para banhos;
  • troncos e galhos para bicar;

As Araras  precisam de muito espaço quando criadas em cativeiro. As gaiolas devem ser grandes e amplas, já que as suas grandes asas e cauda podem ficar danificados devido ao espaço reduzido. Para se ter noção do tamanho ideal, basta saber que as araras devem poder abrir as asas com tranquilidade e a cauda não devem tocar no chão da gaiola ou aviário.

Apesar de não serem aves frágeis,  não podem ficar expostas as mudanças de temperatura extrema ou enfrentar condições de temperatura muito adversas, como a geada, por exemplo.

Na natureza, as Araras voam muito, por longuíssimas distâncias. Se confinadas em uma gaiola, elas passam a ser mais quietas e costumam ficar muito sossegadas, mas, mesmo assim, devemos ter cuidado ao colocá-las em gaiolas fechadas.

Convém evitar materiais em madeira, já que as Araras têm muita facilidade para roer esse tipo de material. Há, inclusive, gaiolas em material especial para não serem destruídas pelos bicos das Araras. O mesmo serve para plantas que forem colocadas dentro do aviário, já que as animais irão destruí-las na primeira oportunidade, tenha certeza de que não são plantas venenosas.

As Araras adoram se pendurar, por isso é comum vê-las utilizando troncos de árvores para poder se suspender.

Enfatizar que a gaiola deve ser espaçosa e mantida sempre limpa nunca é demais: lembre-se de que essa é uma ave que precisa de espaço.

4. Higiene das Araras

Araras adoram um bom banho.

Esses animais gostam muito de tomar banho frequentemente, principalmente nos dias quentes, e apreciam serem borrifadas com um jatinhos de água bem suaves.

Mesmo durante os meses de inverno, as aves gostam do banho, mas convém certificar-se de que a água do borrifador esteja morna, ao invés de fria. As aves que estiverem em recintos fechados devem ser borrifadas todos os dias. No alojamento, é necessário deixar não apenas água para beber, mas também um espaço para o banho, além de ser uma maneira de se manterem limpas, esse é um momento de relaxamento e diversão para elas.

Também é necessário cortar as unhas da Arara com uma certa frequência, e isso é algo bem delicado, portanto leve sua Arara a um veterinário especializado em animais silvestres.

 

5. Cuidados com a saúde

Assim como quaisquer animais, as Araras requerem atenção com a saúde.

Assim como os demais animais de estimação, as Araras devem ser devidamente vacinadas e passar por 4 vermifugações por ano, utilizando-se, para isso, medicamentos de princípio ativo diferentes, para que não ocorra surgimento de resistência aos medicamentos utilizados.

A limpeza do recinto uma vez ao dia, com a retirada das fezes e restos de comida é essencial para que não surjam bactérias que podem até matar a ave.

As doenças mais comuns que acometem as araras são:

  • pneumonia;
  • fraturas – as araras são delicadas, por isso não é raro aparecer aves com os membros quebrados. Os casos mais comuns são os das pernas e das asas;
  • estafilococose – infecção por uma bactéria que se encontra espalhada pelo ar, água e ambiente;
  • piolhos das penas e do corpo;
  • coccidiose;
  • ácaros respiratórios e piolhos vermelhos;
  • asma;
  • doença dos olhos/olhos muito lacrimejantes;
  • bronquite – traqueíte;
  • coriza;
  • doença crônica respiratória – sinais clínicos semelhante à coriza mas muito mais grave, deve-se levar a ave o mais rápido possível ao veterinário.

A escolha de ter um animal silvestre

Escolher um pet não é tarefa fácil, são diversos os aspectos que devem ser levados em consideração, e ter uma ave exótica requer muitos cuidados, durante muito tempo.

É um compromisso que deve ser feito por em média 70 anos, e deve-se lembrar que os cuidados com a ave podem recair sobre seus filhos, tenha certeza de que ela sempre será bem cuidada.

O filme “Rio” fez muito sucesso, narrando as histórias de “Blue”, uma Arara Azul que foi traficada ilegalmente ara os Estados Unidos e que voltou ao Brasil para conseguir acasalar com a única Arara Azul restante e, claro, aprender a voar. O filme fez muito sucesso e retrata a realidade de tráfico de animais de uma maneira bem humorada, mas esse é um assunto muito sério. Em média 95% das aves traficadas morre por maus-tratos antes de chegar ao seu destino, e dificlmente seriam adotadas e bem cuidadas como no filme.

Por isso, é muito importante ter certeza de que o criadouro de Araras ou o pet shop onde você pretende comprar a sua ave tenham toda a documentação em dia.

As Araras são aves muito caras, se o preço estiver abaixo, desconfie e denuncie, afinal, você também é responsável.

Fonte: Bolsa de Mulher

Deixe uma resposta