Animal de estimação é um bom presente para o Dia das Crianças?

O pequeno Murilo, de 8 anos, escolheu um presente um pouco diferente para esse Dia das Crianças e acabou colocando a mãe, a advogada Neila Oliveira, numa sinuca de bico: ele quer um cachorro.

O pequeno cuidou de cada detalhe do presente, que já tem até nome – irá se chamar Théo e será um cachorro de adoção, de preferência sem pedigree.

O pedido de Murilo é singelo e emocionante, mas desperta uma dúvida que assola muitos pais. Afinal, dar ou não um animal de estimação para uma criança? Em época de festas e presentes, surpreender alguém com um animal de estimação pode parecer o presente perfeito – especialmente para os baixinhos. No entanto, às vezes não nos damos conta de que oferecer um cachorro, gato ou outro animal implica em uma série de responsabilidades.

Ter um animal de estimação é uma experiência riquíssima! O problema surge quando não se está preparado a conviver com um bichinho. Para começar, ele não é um objeto, não pode ser trocado, descartado ou doado se não se adaptar bem ao novo ambiente.

A veterinária e proprietária do Centro Médico Veterinário de Vitória, Lorena Goldner, acredita que toda criança deve crescer com um animal, desde que a família esteja ciente das responsabilidades. “Eu super indico um animal de presente, só que os pais têm de saber que esse animal gera um custo, não é só comprar para dar água e comida. Tem as vacinas, tem que dar uma ração boa, vermifugar e ter noção de que ele vai viver uns 15 anos”.

Lorena destaca a importância de pesquisar sobre as raças dos animais, já que cada uma tem seu perfil e pode não ser o mesmo da casa que irá recebê-lo. “O que acontece muitas vezes é que a pessoa escolhe um animal, mas não lê sobre as raças. Se possível adotar, tem muitos animais fofos esperando adoção, mas se quiser de raça, ler sobre a raça. Tem que escolher um cachorro de acordo com o estilo de vida da família, se viaja muito ou se tem um apartamento pequeno, por exemplo”.

Gatos exigem menos dedicação, não precisam passear, são menos dependentes e mais silenciosos, mas, em compensação, precisam de muitos cuidados e atenção e paciência com os pelos. Já os cães requerem mais esforços dos donos, pois pedem adestramento básico, passeios, atividades físicas e mentais e muito carinho.

Além disso, é fundamental dispor de local apropriado para a espécie, incluindo um lugar para o animal dormir, se exercitar, fazer as suas necessidades e onde possa se sentir seguro; ter condições financeiras para dar alimentação e cuidados veterinários de qualidade; e ter tempo para acompanhar o animal em brincadeiras, exercícios, socialização e higiene.

Outra coisa que os pais devem levar em conta ao presentear o filho com um animal é saber que a criança ainda não é capaz de assumir todas essas responsabilidades sozinha, ou seja, boa parte dos cuidados com o bichinho ficará por conta dos adultos. Isso significa que um animal de estimação é um presente para a família toda.

É comum que os pais acabem assumindo os cuidados e, em muitos casos, isso leva ao abandono ou maus-tratos desses animais por falta de tempo, recursos, conhecimento ou simplesmente por preguiça. Por isso, é importante avaliar também a disposição de toda a família em cuidar das necessidades físicas e emocionais do animal.

Se, mesmo depois de analisar todos esses pontos, você ainda acreditar que um animal de estimação é o presente perfeito para o dia 12 de outubro, fique atento a algumas dicas importantes:

Prepare sua família
Um animal de estimação irá mudar a dinâmica do seu lar e requer planejamento para que todos ajudem com as tarefas. Toda a família deve estar de acordo com a decisão de ter um pet e assumir essas responsabilidades durante todos os anos de vida do animal. Vale lembrar que cães podem viver entre 10 e 15 anos e gatos podem chegar até aos 20 anos.

Prepare sua casa
Uma coleira, uma cama e tigelas (para água e comida) são alguns dos itens necessários. Os cães, especialmente os filhotes, às vezes se comportam como crianças de dois anos de idade e é preciso garantir a segurança do animal e da família. Por exemplo: não deixe produtos de higiene ao alcance do pet, mantenha os lixos tampados, cubra ou esconda cabos elétricos etc. E informe-se sobre como treinar o seu animal para evitar problemas de comportamento no futuro.

Priorize a adoção
Que tal adotar em vez de comprar um animal? Ao adotar um cão ou gato, você ajuda os animais abandonados e não estimula o comércio indiscriminado que, muitas vezes, é realizado de forma abusiva e cruel.

Nada como vivenciar o amor incondicional pelos animais, mas com responsabilidade e planejamento! Nada de impulsos! Eles sãos eres sensíveis e merecem nosso maior respeito.

Fonte: Folha Vitória

Deixe uma resposta