Animais idosos são menos adotados

Um levantamento realizado de julho a setembro deste ano aponta que 70% dos bichos adotados via Associação das Mulheres Protetoras dos Animais Rejeitados e Abandonados (Ampara) são filhotes. Dados do Centro de Controle de Zoonoses, em São Paulo, indicam um cenário ainda mais desigual: dos 450 cães e gatos que conseguiram um dono entre janeiro e agosto, apenas dez são idosos.

“Mesmo quando traumatizados, basta amor e um pouco de paciência para que esses bichos se sintam em casa”, avisa a veterinária especialista em comportamento Ceres Berger Faraco, professora do Centro Universitário Ritter dos Reis (UniRitter), em Canoas, no Rio Grande do Sul. E quem adota também sai ganhando. “Fazer a diferença na vida de seres tão maltratados e acompanhar sua recuperação é gratificante e fortalece o vínculo entrepete dono”, incentiva Ceres. Inquietude, choro e outras vocalizações, além de reações agressivas, são sinais comuns (e passageiros) de estranhamento ao longo do processo de adaptação.

Lar, novo lar

Alguns cuidados ajudam na integração do animal idoso ao novo ambiente 

Osso duro de roer

Brinquedos e petiscos que representam desafio distraem e relaxam.

Bandeira branca

O primeiro contato com outros animais da casa deve ocorrer em locais neutros.

A união faz a força

Adestradores e veterinários auxiliam na socialização com humanos e bichos.

Corpo são, mente sã

Até 40 minutos de caminhada duas vezes por dia favorecem o bem-estar.

Fonte: Saúde

Deixe uma resposta