Adotando um animal adulto ou idoso

Quando pensamos em adotar um animal, geralmente imaginamos um bebê. Mas que tal dar uma chance a um animal adulto?

Infelizmente, grande parte da população de adultos e idosos que lotam os abrigos é formada por animais que um dia tiveram um lar, uma família, mas que foram descartados por algum motivo fútil. Por melhor que seja o abrigo, por mais dedicados e amorosos que sejam seus funcionários, é impossível dar conta de todos os animais com todo o zelo que teriam (ou tiveram) num lar de verdade.

Além, é claro, da saudade dos antigos “donos”. Assim, aqueles que já tiveram a experiência de ter uma casa, sentem muito a mudança e, na maioria das vezes, ficam deprimidos. No caso dos animais idosos, a situação se agrava pelas dificuldades que a própria idade traz e, muitas vezes, por doenças que adquiriram ao longo do tempo.

Considerando que adotar é um ato de amor, altruísta em seu princípio, por que não dar uma chance aos que foram rejeitados? Os filhotinhos são desejados e são a primeira opção da maior parte das pessoas. Mas os adultos, em geral, vão permanecendo nos abrigos, até se tornarem idosos e serem considerados velhos demais para se tornarem o novo membro da família.

E adotar adultos tem muitas vantagens que você nem imagina. Normalmente, eles são mais calmos que os filhotes, já estão acostumados a algumas regras, demandam menos atenção e dificilmente irão roer sapatos e móveis. A maior parte dos abrigos oferece adultos já castrados, o que diminui os seus gastos. E, o mais importante, o animal que já tem maturidade para entender que foi abandonado e depois acolhido demonstra um senso de gratidão já comprovado em pesquisas mundo afora.

Ao levar um animal adulto para casa, você estará recebendo um amigo que lhe será grato por toda a vida!

Fonte: Amigo não se compra

Deixe uma resposta