17 imagens que provam que a natureza na Austrália é a mais louca (e perigosa) do mundo

Vamos contar os modos pelos quais a natureza quer matar os australianos (e seus turistas desavisados).

17 imagens que provam que a natureza na Austrália é a mais louca (e perigosa) do mundo:

1. Pítons comendo de tudo.

2. Pítons tão grandes que podem comer pequenos cangurus.

3. Raposas-voadoras – grandes morcegos que carregam um vírus mortal. 

4. Encontrar tubarões branco surfando não é incomum. 

5. Assim como crocodilos

6. Crocodilos na rua.

7. Crocodilos comidos por cobras

8. Aranhas… muitas aranhas… O país é conhecido por ser de uma das maiores variedades de aranhas do mundo, muitas das quais são venenosas.

9. Infestações de insetos. Embora inofensivos, eles são bastante incômodos, e podem se aglomerar até mesmo em um sujeito desavisado.

10. Enormes lacraias venenosas, que podem atacar se forem perturbadas e seu veneno, embora na maioria das vezes não seja letal, é capaz de causar muita dor por vários dias. 

11. Água-viva Irukandji. Talvez a criatura mais perigosa na Austrália (sendo uma das mais venenosas do planeta), apesar de ser do tamanho de uma unha do polegar.

12. Picadas do caracol cone-de-mármore podem causar paralisia dos músculos respiratórios, levando à morte.

13. Perigo! Synanceia verrucosa, o peixe mais venenoso da Terra. A sua cor torna-o muito difícil de ser visto pelas pessoas, o que faz com que muitas pisem neles acidentalmente, momento em que ele libera o veneno que causa tanta dor que nem a morfina é capaz de aliviar. Muitas vezes é fatal para crianças e idosos, quando não há cuidado médico a tempo.

Aqui está ele bem camuflado. Consegue ver?

14. Mesmo piscinas naturais aparentemente tranquilas podem ser perigosas! 

Em dias quentes, a água doce em alguns locais abrigar espécies de seres microscópicos capazes de causar meningite amébica. Embora rara, a doença é muito letal, com uma taxa de sobrevivência de menos de 3%. E basta entrar na água para contrair.

Fonte: Mistérios do Mundo

Deixe uma resposta